CONTACT US 

Smith & Associates
Phone: 1-999-SmithCo

Fax: 314-873-3800
Email: smith@smith.com

 

Our main office is on

55 West Street, Suite 2650, Arlington, VA 
 

 

tiago rocha

 

*

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Resumo Curricular
  •  Fisioterapeuta em prática privada (França);
  • Fisioterapeuta em Reabilitação Temporomandibular na Clínica Santa Bárbara (Braga) até 2013
  • Formador de Anatomia Funcional, Anatomia Descritiva e Patologia (Braga) até 2011
  • 2009 a 2010: Fisioterapeuta em Desporto (CDC Espinho).
  • Mestrado em Fisioterapia: “Relationship between internal derangement of temporomandibular joint and changes in body posture”
  • Pós graduação em Fisioterapia – Especialização em Movimento Humano (Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra)
  • 2010: Formação em Disfunção Temporomandibular e Dor Orofacial (Escola Superior de Saúde Jean Piaget)
  • Licenciatura Bi-étapica em Fisioterapia (Instituto Superior de Saúde do Alto Ave)
  • Membro do grupo WCPT Physical Therapy Pain Network
  • Organização da Conferência: “New perpectives in temporomandibular disorders: from research to clinical practice” com o PhD. Daniele Manfredini
  • Artigo científico em fase de submissão: “Subjects with temporomandibular joint disk displacement do not feature any peculiar changes in body posture”.

Sábado, 19 Março - Auditório 2 - 12h30

Duração: 30 minutos

 

 

 

«Análise Cinemática e Eletromiográfica da ATM: comparação entre grupo-controlo e grupo-teste»

 

A Articulação Temporomandibular (ATM) move-se aproximadamente 2000 vezes por dia, durante os movimentos inerentes à fala, mastigação, deglutição, bocejo, etc., sendo, por isso, a articulação mais usada do corpo humano (Arellano, 2002). Quando há algum desarranjo nesta articulação, podem ocorrer desordens temporomandibulares (DTM), definidas como um grupo heterogéneo de condições patológicas que afetam a ATM, os músculos da mastigação e estruturas adjacentes (McNeill, 1997; Egermark, Carlsson e Magnusson, 2001; Olivo e Magee, 2006; Manfredini, 2010; Jerolimov, 2009).


Este estudo foi desenvolvido com uma amostra de 42 indivíduos, distribuídos por 2 grupos: 21 indivíduos com deslocamento do disco da ATM (grupo teste) e 21 indivíduos sem qualquer diagnóstico de DTM (grupo controlo). Teve como objetivo caracterizar o padrão dos movimentos mandibulares, através de análise cinemática dinâmica (amplitude de movimento e trajeto da mandíbula) durante os movimentos de abertura-fecho, excursão direita-retorno à linha média e excursão esquerda-retorno à linha média. Neste mesmo protocolo foi também avaliada a ativação muscular dos músculos masseter (bilateral), esternocleidomastóideu (bilateral) e eretor da espinha (bilateral), recorrendo à utilização de eletromiografia de superfície.

 

Lisboa 2016

«Dor Orofacial e Disfunção Temporomandibular: O Futuro»

«Orofacial Pain and Temporomandibular Disorders: The Future»

 

 

 

 

Sociedade Portuguesa de Disfunção Temporomandibular e Dor Orofacial © 2016, todos os direitos reservados